meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

MUSA(S)

por Tânia Du Bois

 

                                      “Seu amor canta poemas

                                       seu amor é poeta

                                       Dito, consagrado, proclamado

                                       por loucos e ouvidos e comendas.

 

                                       Mas tu és dele a musa

                                       et tu l’amuses

                                       uma musa discreta,

 

                                       verdadeira elegância que ri

                                       como menina nos campos e mares

                                       Ah! Feliz do poeta que teus ares respira,

 

                                       como ave que voa tranqüila nas alturas

                                       impensadas e abertas! Se ele te usa,

                                       minha cara, só tu, razão e beleza, o inspiras...”

                                                                              (Fernando Andrade)

  

          Musas são como o vento forte contra a poeira; dominam os papéis literários, as obras de arte; são como palavras escritas em telas, como a cor e a sensibilidade das formas.

          O pintor paraibano Flávio Tavares mostra-nos que domina as mulheres em suas telas, põe em seus quadros o símbolo da fertilidade: as mulheres sobressaem. Elas são representadas como santas, pastoras, grandes amantes, domadoras, protetoras e anjos. Ele usa com adequação o colorido para expressar o belo, conseguindo efeitos significativos: a tristeza da mulher enfeitada; puxar o véu para junto de si e saber que será levada pelo vento: seduzir, ser vencida; ser jovem, ficar velha. Por fim, Flávio Tavares conhece as mulheres. Mas, será que Tavares teve a oportunidade de, entre todas as suas mulheres, conhecer as Alice? Alice Brueggemann e Alice Soares: as mulheres que dominaram as telas, as musas gaúchas da pintura.

          As duas Alice, artistas plásticas, com muita afinidade e convivência artística, foram trabalhar no mesmo atelier, chamado “Aliciano” pelo pintor Ado Malagoli, incentivador do agrupamento, para alcançar o caminho da profissionalização e comercialização das obras.

          As duas, ao reunirem pintura e desenho, lado a lado, em busca de aprimoramento, expressando emoção e sensibilidade, passaram a conviver com a nova perspectiva e o pensamento artístico comum.

          Alice Soares, com seus crayon e pastéis, tendo como tema a criança universal; Alice Brueggemann, com seus olhos, tendo por tema a figura humana, a natureza morta e as paisagens.

          Diante da mesma imagem, as musas de Flávio Tavares e as Alice estão vinculados à persistência, à criatividade e aos sentidos em ação. Uma verdadeira festa de tintas e cores, desenhos e figuras, onde podemos descortinar imagens como as do poema de Fernando Andrade.