meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

O NATAL e sua MAGIA...

por Tânia Du Bois

 

            Vivemos da magia. A magia do Natal está nas palavras que iluminam os nossos corações, assim como a magia da vida se encontra no poeta, porque ele é o representante do sentimento do mundo e nos leva à admiração simbólica da nossa presença no Natal. Também, une a tradição natalina aos seus conhecimentos literários, expressando o sentido da exaltação, transformando o Natal em momento mágico e feliz.

 

“Cantemos a canção da vida / na própria luz consumida...” Mário Quintana;

“Ando a procura da luz / como quem procura um nascimento: /  um vão / uma fresta / o mundo” Leopoldo Scherner;

“... O homem / ilumina / o homem / próximo...”  Pedro Du Bois;

“... Na luz imaginada / de um infinito amor...”  Armindo Trevisan;

           

            Os poetas mostram através das palavras que o homem pode exprimir seus ideais: comunica-se, liberta-se e reinventa o novo ao se despedir do ano velho. A chegada do ano novo é o transformar em renovação, enredar-se nas palavras para ir além do encontro com os amigos e os familiares, porque as palavras representam os sonhos e fazem a magia da noite.

            É importante o “eco” das festas, pois contrasta a superação do ano velho na presença simbólica do novo. A partir dessa perspectiva, transversalizo a multiplicidade dos olhares poéticos que nos estimulam nas festas comemorativas e, ainda, cultivam a sensibilidade  na criação e na recriação de imagens em palavras com múltiplas nuances, onde “a poesia sim, se verte à prosa da vida”(Fernando Paixão).

 

“Existe em nós não o ano novo / mas // o renascido...” Lindolfo Bel;

“O amor minha paz e minha guerra. Meu dia e minha noite.

Meu inverno e meu verão...” João Cabral Melo Neto;

“... a luz denuncia.../ amizade, ternura, amor.../ palavras/ sinais multiplicados

de entendimentos / avisos luminosos da nossa esperança.” Pedro Du Bois;

“... A esperança lançada / visto que o desejado / encontra-se dentro

da própria alma” Benedito Cesar Silva.

           

            A renovação é esse encontro na recondução dos sentidos, para o que é visto todos os dias, ao utilizarmos os recursos dos versos na construção de poemas que saúdam as mudanças: poema e liberdade; ano novo e poesia. Buscamos a visão do belo que nos permite direcionar para uma vida alegre em sintonia com as perspectivas do novo ano, despertando o desejo de olhar o mundo com admiração ao desvendar o sentido da vida e transformar o ano novo em felicidade e magia.