meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

----------------------------------------------------------------
 

MEU ANIVERSÁRIO

por Tânia Du Bois

 

“... O corpo em si revela a cor / a divisa de tinta ao tato / como quem quer apalpar o medo /como quem apalpa a dor / de envelhecer...”  (Luiz de Miranda)

 

            Romeu não imaginava que Julieta teria vida eterna. Inspirada no amor deles penso nas situações do meu cotidiano, em que é pertinente lembrar as pessoas do meu aniversário. Segundo Lígia A. Leivas, “... A vida é um dom maior...eternamente / Não importa quão devastadora sejam as horas / ou quão arrebatadoras as promessas...”

            A vida turbulenta e a indiferença das pessoas são transtornos; comportamentos considerados não revelações, porque ressaltam a individualidade. E como tema central, com certa atenção, é possível perceber que não sobra tempo para as pessoas  lembrarem o aniversário dos amigos.

            Além da questão sentimental, enfrento a saudades dos encontros, das festas, onde era a energia da celebração; onde me movimentava para falar e abraçar os amigos. Nas palavras de IGdeOL,“...De olhar o calendário /...De recordar o aniversário / Daquela que me trouxe a vida! // ...Para não esquecer outra vez / Deixo o calendário marcado / Para nos anos vindouros / Recolher muitos tesouros / De alegrias, ao teu lado!...”

            Meu aniversário: um dia sozinha. Dia sem novidades e sem notícias. Dia em que a campainha  do apartamento  não desperta. A refeição normal, sem balões e bolo. Um dia sem surpresas, sem presentes, sem leitura. Um dia diferente – derrubado. Dia sem música. Dia não encontrado... Como expressa Augusto de Abreu, “Mais um aniversário, / que tédio! / Mais um aniversário / sem ter nada para comemorar, / sem ter perspectiva de vida, / sem ter perspectiva de encontrar a mulher amada. / Sem ter perspectiva de ser feliz. / Mais um aniversário, / menos um dia na minha jornada, / mais rugas, / menos esperança, / mais dores no corpo, / mais cabelos brancos, / mais desejoso em voltar a ser criança.”

            Sábado com mais de cinquenta anos. Sinto-me trancada na minha privacidade e pressionada em meu pensamento. É meu aniversário e gostaria de não ter a sensação de um momento só meu. Entretanto, preciso acreditar na vida, sem maiores traumas, porque ainda assim tento pensar que a vida é mais importante e interessante do que o comemorar meu aniversário. Então, continuo a assistir Romeu e Julieta (pela centésima vez) que, como encontro em Luiz de Miranda, “hoje ou amanhã / o dia será / o que foi ontem /trazendo nos retratos / nas palavras / a luminosidade do tempo.”