meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

DE ONDE VÊM AS IDEIAS?

por Tânia Du Bois

 

            “Se existe uma coisa que a natureza produziu, que é refratária, mas foi

             transformada em propriedade, é a ideia...” (Hermano Vianna)

 

          O livro Contos Reunidos, Volume I, de Nilto Maciel, é recheado de ideias em uma seleção que traduz a arte de viver. É revelador. Mostra aquilo que (não) queremos ver – ao olhar o detalhe, pergunto: de onde vêm as ideias? E ele mesmo responde, num dos seus tantos trechos:

          “... Por acaso necessitamos da mentira para falar e continuar a viver? Por acaso não temos olhos de ver e ouvidos de ouvir?...”

          Nilto assume a autoria da sua própria cultura, o sumo do poder criativo. Também encontramos nos seus contos culturas que dão significado à vida, demonstrando novos mundos; o que faz o leitor, ao ser desafiado, se reinventar.  

          “... Pedro Campos esfaqueou o tempo e o sol. Uma luz medonha queimou os olhos do homem...

          ... Pedro Campos fincou as esporas no cavalo, gritou, chicoteou o vento e desembestou no rumo da venta...”

          A alma dos seus textos são as histórias pitorescas que se transformam em arte viva e cada uma delas tem a sua forma, tornando os personagens cada vez mais reais (presentes).

          “Caminha Ana pelo beco esburacado, perninhas de embuá, doida para alcançar a esquina. Saltita, feito catita, de ilha em ilha, com medo de se afogar nas poças da lama...”

          Todos gostam de sonhar, tanto que há quem finja ser mágico e que acredita fazer parte das revelações encontradas nos contos – como linguagem de liberdade.

          “... Ódio mudo, fermentado entre quatro paredes, espumoso, envelhecido à rolha”.

          Nos Contos Reunidos, as ideias se manifestam em todo lugar e situação. Percebo outro patamar de consciência: transformar a sociedade “esquecida” à imagem da vida que a cerca; que, por vezes, mostra que enfrenta o tempo no período em que descobre na diferença o seu valor. A capacidade de expor e inovar estão nas páginas para serem exploradas, espelhando a criação do autor.

          Não importa qual seja a pergunta, você se surpreende com a resposta deixada por Nilto, porque ele possui o incrível poder de captar os impactos do emaranhado cotidiano em suas diferentes dimensões.