meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

NÓS & nó(s)

por Tânia Du Bois

 

“... o tempo não pode viver sem nós, para não parar.” (Mário Quintana)

 

Lendo alguns poemas, percebi que certos poetas gostam de desamarrar a linguagem. Desbravar caminhos sem medo de assumir a poesia.

 

“desfaz os nós/ desamarra/ solta/ na liberdade do corpo/ dança/ anda/ corre/

no livre pensar/ esconde as razões // refaz os nós/ amarra/ prende/

o corpo ao começo. ”  (Pedro Du Bois)

 

Na essência para transformar os nós, em nós, Helena Kolody no poema os “Nós”, revela que “Fomos duas árvores castas./ Não misturamos as raízes./  Apenas enlaçamos / os ramos/ e sonhamos juntos”.

 

O que leva o leitor a acreditar que mudanças são necessárias, desde o trabalho de criação até os principais feitos da vida: a esperança num universo de valores únicos, como se o tempo fosse transformado para nós e tudo que está em volta “De Nós”.

 

“pelo poço sem fundo / chegamos ao nada/ porque somos ecos/

 (não imagem) / e o mergulho fatal / nos retorna à origem” (Pedro Bertolino)

 

Nesses poemas que são, sobretudo, um ressoar, os poetas colocam em xeque as indiferenças que registram no cotidiano.

 

“No meio da palavra/ o nó// o meio da palavra/ no pó// No coração o nó//

Na garganta/ o nó// Entre meu olhar / e teu olhar/ o nó/ na-valha... ”(Lindolf Bell)

 

Pergunto se “Neste Embrulho de Nós” (livro de Marco Aqueiva), no ressoar os sonhos, os nossos filhos e netos ressoarão por nós.  E Lindolf Bell responde que, “Existe em nós não o novo / mas o renascido. / Pesamos por isto as verdades / sobre a balança sem pêndulo”

 

Os poetas com seus talentos abrem caminhos para todos. Mário Benedetti, em “Quem de Nós”, revela uma história de amor, entre três amigos.

 

O amor, sempre o amor, desembrulha os nós, porque a relação amorosa leva à imperfeição e, por isso, respeitamos as diferentes maneiras de pensar. E como precisamos uns dos outros, compartilhar com os escritores no tempo em que cada um de nós instiga quem os lê, no descobrir as diversas facetas das atitudes de nós e dos nós, como passaporte para existências sem percalços.

 

Quem de nós, ama a verdade? Vive o amor eterno? Sonha com as palavras? Acredita em si? Os Nós estão feitos!

 

            Alphonsus de Guimaraens Filho publicou seleção de poemas, reunindo três livros inéditos, que intitulou e, neles, encontramos. “Por que fizeste de mim um nó? / Por que ao só / adivinhá-lo, sem desfazê-lo, / todo estremeço? //... Dize se estou! / Dize se tudo / não é só / este crespo, irritante nó...”

 

Costumo dizer que o tempo é pouco, porque quando estou lendo poemas não tenho hora para acabar; viajo entre os autores e durante a leitura vejo flashes de nós e do(s) nó(s) pelas passarelas.