meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

Que tipo de PAI é você?

por Tânia Du Bois

 

 

“Sabeis por que acho na velhice encanto?

Porque é velhinho o pai que sei amar,

E em cujo peito vou esconder o meu pranto”

(Dez/1924 Ziza de Araújo Trein)

 

Como filho, aprendi com meu pai que, quando se fica muito tempo fora de casa, é preciso arrumar uma maneira para passar algum tempo livre com os filhos. Meu pai acredita que os problemas se resolvem apenas vivendo num mundo mágico, que é quando ele tem tempo para acompanhar o filho em suas atividades e brincadeiras.

Nesse mundo mágico, o pai não tem medo da sua responsabilidade e, com o passar dos anos, sente-se mais participativo e seguro para ajudá-lo a se tornar responsável, autônomo, autoconfiante e afetivo, com o objetivo de enfrentar o mundo real. . Nas palavras de Pedro Du Bois, “Pai presente... // Lembrança do tempo / Em que estivemos / Juntos // Sua presença / preenche claros medos...”

A educação foi um desafio para o meu pai e, cada vez mais, ele buscou construir e desenvolver em mim as singularidades na diversidade, para que eu conseguisse lidar com o mundo em constante transformação. Também, mostrou-me o amor que sentia e, através do diálogo, os desafios do dia a dia, sempre atendendo as minhas necessidades na infância, na adolescência e até hoje, o que faz do nosso lar algo mágico. Segundo Lima Coelho, “Ser Pai // ...É saber utilizar com maestria as ferramentas de precisão, aferindo oportunidade e valores para as lições que o conduzirão na vida...”

Assim, a nossa vida – pai e filho – tem se transformado em palco de encenações onde juntos montamos shows para a família e os amigos. Tornamo-nos personagens que interpretam em vida e sonhamos sermos “livros” de aventuras, onde aprendemos o sentido da verdadeira amizade e cumplicidade. como em Miguel Cadaval, “...Nos mais bonitos dos gestos / Quero me parecer contigo / E nos teus braços meu pai / Que encontro meu abrigo / Vou gritar que o mundo ouça / Meu pai meu melhor amigo.”

Hoje, ele me perguntou: Que tipo de pai é você?

Eu respondi que graças a ele sou do tipo participativo e que mantenho ótimo relacionamento com a minha filha. Mostro que ela tem o direito de realizar os seus sonhos e fazer as suas escolhas, percebendo os diversos sentimentos, de acordo com os contextos que se apresentam. Sempre repito isto, para que ela preserve a originalidade de suas ideias e busque a felicidade.

Sinto até hoje viver uma grande aventura. Adoro brincar, aprender e contar histórias, deste mundo que é mágico, para a minha filha. Encontro em Salete Aguiar, “Na cadeira de meu pai estou sentado, / mas filhos não querem colo, / querem asas”

 

 

------------------------------