meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

PAISAGEM

 

 

por Tânia Du Bois

 

            Invente o seu feriado, para poder apreciar o campo coberto de flores amarelas, margaridas e bem-me-queres. Pare para sentir o vento tocar o seu rosto e perguntar: qual o lugar mais bonito do mundo? Essa pergunta parece difícil, mas tem apenas uma resposta, que é de todos nós: é a paisagem verde, aquela que podemos ver e sentir, pois é na sua composição que toda a poética do espaço incide. Aos olhos atentos, flui poesia no tapete verde, na linha do horizonte e encontramos no simbolismo o lugar, o ato da poesia.

            Lêdo Ivo inventou o seu feriado e nos mostra o que de tão especial captou na paisagem que admirou:

 

“Lá vai a formiga / perdida no campo / no imenso universo /

de bosques e grama / no verde oceano / de folhas e troncos.

Ela vai sozinha / sem ninguém que a guie / nos sulcos e ramos.

Pobre formiguinha / obrigada a andar / num mundo tão grande!

Rica formiguinha / errante e segura. /     Por montes e vales /

trancos e barrancos / e cercas e muros / ela já aprendeu /

que tudo é caminho. / Indo no chão duro / ela também sabe /

que hoje é o futuro. / Formiga perdida / e achada no campo”.

 

            A poesia de Lêdo Ivo reconfigura os campos e revitaliza o nosso dia a dia. A natureza merece respeito e, para a nossa qualidade de vida, é uma consequência direta.

            Considero que ao vermos um campo verde, colorido pelas flores, sentimos energia como se fosse um dos cartões-postais mais lindos do mundo.

            Às vezes não é preciso inventar um feriado para admirar a paisagem, a humanidade é parte da rede da vida “verde”. Precisamos perceber como podemos valorizar a natureza, visto que os hábitos e as atitudes se entrecruzam e mesclam a paisagem e a memória, como Pedro Du Bois escreveu:

 

“... a natureza sem o imprevisto do humano / desenvolve plantas ao sol

e à sombra / a biodiversidade se apresenta aos poucos / na hora certa /

dos relógios biológicos //... / nenhuma planta antes ou atrasada /

sementes germinam na polinização do solo / a chuva regular rega

a terra / clorofiliza folhas e ilumina flores”.

 

            Vale a pena aproveitar o seu feriado, para ter o prazer de conviver com a natureza e observar como tudo se transforma sem a ação direta do homem. É preciso agradecer pela beleza trazida pela paisagem: campos, bosques e jardins.

            A paisagem dos “campos, verdes campos” nos nutre e é capaz de ancorar energias. Nela as imagens campestres revelam a condição humana, garantindo nossa sobrevida à flor da poesia.