meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

QUE PAÍS É ESSE?

por Tânia Du Bois

 

          Que País é esse que chora quando a seleção de futebol é desclassificada, mas a perda do poeta Roberto Piva é chorada apenas pelos amantes da poesia?

          Que País é esse em que todos param para assistir ao jogo da seleção e não para, nem por alguns minutos, para ler um livro e descobrir, por exemplo, o escritor Roberto Piva, que tanto inovou a literatura brasileira, trazendo-nos o quanto um livro pode ser companheiro e abrir novos horizontes?

          Que País é esse em que a televisão mostra, por exemplo, quando um jogador de futebol adoece, o que está fazendo, o que tem, e tudo o mais. E pouco mostrou sobre o poeta Roberto Piva, sempre uma celebridade literária, uma raridade como poeta, por ter introduzido novas linguagens contribuindo, assim, com a cultura, nosso maior bem? E quem soube da doença e das necessidades passadas por Roberto Piva? Só os amantes da literatura.

          Futebol, reconheço, é fator cultural na vida do brasileiro. E a literatura, a poesia, em qual escala se situa para o nosso povo?

          Choro a morte de Roberto Piva. Choro a sua ausência (mesmo que inconsentida) na vida literária e choro, choro e choro a perda do grande poeta. Consolo-me com sua obra que está comigo. Sinto através de seus poemas que o terei sempre.

 

“.. Não serei domesticado, /

Pelos rebanhos / Da terra. / Morrerei inocente / Sem nunca ter /

Descoberto / O que há de bem e mal / De falso ou certo / No que vi.”

 

          Lembrar Roberto Piva é lembrar a inovação. Revolucionou a poesia, realizando mudanças de porte e ofereceu soluções (mais) criativas à literatura. Ler sua obra é inesquecível: até porque mais raro. Emociono-me cada vez que lembro o quanto esse País o deixou de lado, esquecido. Ele será sempre lembrado com amor, respeito e admiração pelos amantes da literatura.

          Agora, caro Poeta, você pertence a outro “País”. E que “País” é esse?