meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

PARQUE DE DIVERSÕES

por Tânia Du Bois

 

“Todos os brinquedos-/ Alados ou não-/ Tem lá seus segredos.//

Todos os anjos/ -À toa ou não -/ São gente boa.// Todos os pestinhas/

em curto-circuito-/Tem pavio curto.// A todos os palhaços/ Aquele abraço!/

Todos os pronomes/ os milhões de nomes// Perdem a fome/

No parque de diversões.” (A.Zarfeg)

 

O poeta abre frestas no emaranhado cotidiano, para a realidade, ao abordar o tema de forma poética e lúdica, trazendo a lembrança e a saudades dos tempos das brincadeiras ao ar livre, e nos leva a acreditar na inventividade enquanto criança.

 

Programas ao ar livre são garantia de diversão. As crianças no parque têm a desafiadora e deliciosa tarefa de escolher os brinquedos, onde poderá controlar os movimentos do corpo, como descoberta.

 

Com o olhar tece a magia do parque de diversões, onde elas se divertem na descoberta das diferenças e semelhanças entre si, fazendo-se presentes nas fantasias, nos sonhos e nas surpresas que atingem seus corações.

Pensar em parque de diversões é lembrar a alegria do contato entre crianças de várias faixas etárias e culturas expressadas de diversas formas, permitindo inúmeras descobertas. Entretidas com os brinquedos e jogos, o desafio é demonstrar habilidade, reflexo e atenção.

 

Acima de tudo, as crianças precisam exercer-se livremente porque qualquer forma de expressão de seu mundo interior é revelada nas brincadeiras. Os brinquedos nos parques desenvolvem o raciocínio sobre o uso do espaço. Ainda, atiçam suas curiosidades ao caminharem pelo parque, explorando o espaço, juntando interatividade e entretenimento.

 

O poeta A. Zarfeg considera as atividades das crianças como descobertas ou como elas descobrem nas diferenças o seu real valor e, ainda, como pautam a diversidade e a riqueza na busca da alegria. Além disso, é uma grande oportunidade para interagir com a família, os amigos e a natureza. E de passar momentos que certamente farão parte das boas lembranças e ficarão guardadas para sempre.

 

Um parque de diversões exige a presença das crianças, visto que elas completam aquele mundo encantado através de formas artísticas. Levá-las ao parque é promover o encontro entre as crianças e colocá-las em contato com a diversidade cultural brasileira.

 

--------------------------------------------