meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

-----------------------------------------------------------------------------------------------

EM PELE E OSSO: CARTA AO BRASIL

por  Tânia Du Bois

 

          “I

           Te escrevo Brasil / com o osso / mais velho / que te sustentou.

           II

          Te escrevo / no olho da luz / antes da primeira / fome / com a fome / de tua boca...

          VI

          Te escrevo / com o berro / de qualquer coisa / com o coice / que devastou no ar /

          perseguição da palavra / para tamanha / falta de vida

          VIII

           Te escrevo / com o couro / aninhado / na balas / com a bala / fugida / da ignorância /

          com o estouro / dos miolos

          IX

          Te escrevo / com o sol / esvaziado sobre os ossos / com a corda / do soluço

          XIV

         Te escrevo / porque somos / tua própria / geografia

         XV

        Te escrevo / porque ardemos / nas veias / de tua / indecisão

        XVI

        Te escrevo / porque / já não és / um gemido / de mundo / mas o próprio / mundo /

        a apalpar-se / em nós."

 

Carta ao Brasil é um poema do grande escritor Armindo Trevisan, contido no livro "Em Pele e Osso". Nesse poema o poeta fabrica a pele do impossível aonde vai costurando a língua e a poesia e depois, ponto por ponto, a transforma em pele maior para ser engolido pelo mundo. Deixa o presente e o futuro na pele da liberdade. E diz que "o poeta nasce para fabricar a pele."

Em Pele e Osso, a Carta ao Brasil mostra todo o luxo de uma poesia que deixa o homem nu em sua polidez, na cama, nos escritos, no louvor e na luz: "Perder a pele / para o poeta / é fado / o poeta anda sem pele"

Armindo Trevisan é escritor que valoriza o neologismo sem medo de levar a ideia até o fim. É poeta do deslumbramento e da sabedoria da vida: "desencaderna livros que deixa o presente / antes do futuro".

Seus poemas são impulsivos, eróticos e um dos principais elementos desse mundo poético é o corpo. Sua inventividade verbal é a maneira como o poeta vê o futuro ao qual aspira, sempre através da grandeza da sua poesia social.

Segundo Maria T. L. Martinez, "a poesia de Armindo Trevisan é um caminho de busca da palavra e da transcendência do ser, e, às vezes, um tom de exultante canto à existência".

Dante Milano, conclui: "Louvo em Trevisan a complexidade de seu pensamento-sentimento e a capacidade de se entregar a si mesmo sem lembrar ninguém... Poeta, para mim, é aquele que faz da sua Poesia a sua Verdade."