meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

ROBERTO PIVA: “ALÉM DAS LETRAS? HÁ VIDA.”*

por Tânia Du Bois

 

          A vida é feita de pequenos momentos e grandes voos. Na busca por livros; na busca pela qualidade da literatura; na busca pelas obras de que mais gostamos, os escritores podem garantir agilidade que nos fazem voar cada vez mais, simplesmente.

            Seja pela leitura, por autores independentes, juntos voaremos ainda mais alto, quando nos lembramos de autores como Roberto Piva, que com competência revolucionou a linguagem-escrita em forma de criatividade e novidades. Seus primeiros poemas foram publicados em 1961, quando tinha 23 anos. Piva formou-se em sociologia e foi professor de Estudos Sociais e História.

            Segundo João Silvério Trevisan, “em suas aulas aos adolescentes do segundo grau, costumava trabalhar as matérias a partir de poemas que os fazia ler e interpretar.”

            A criação dos poemas de Roberto Piva teve rara influência na literatura brasileira, porque seus textos aliam transgressão a um notável conhecimento e saber.

            Sua obra é referenciada pelos filósofos e poetas que extrapolam os limites da expressão racional, como podemos ver no seu poema Libelo:

           

            “Não mais trarei justificações / Aos olhos do mundo. / Serei incluído /

            “Pormenor esboçado” / Na grande bruma. / Não serei batizado, /

            Não serei crismado, / Não estarei doutorado, / Não serei domesticado, /

            Pelos rebanhos / Da terra. / Morrerei inocente / Sem nunca ter /

            Descoberto / O que há de bem e mal / De falso ou certo / No que vi.”

 

          Piva é grande apreciador do jazz e da bossa nova. João S. Trevisan diz que “o traço marcante na obra de Piva é o total desmantelamento da versificação métrica... na tentativa de transpor para a poética escrita o ritmo sincopado do jazz e a respiração do músico de jazz.”, como no poema:

 

            “Não vale / sair / com asas / onde / o cra  cra  cra  cra  cra  cra  cra /

            cra  cra  cra  cra  cra  cra / se amassava / nas / velas apagadas /

            quem quer / o telhado / de lágrimas? ...”

 

          A única certeza que tenho é a de que Piva veio para transgredir na vida e na poesia; seus textos refletem musicalidade, ritmos e delírio expressivo. Na sua vida incorpora o intelectual e o erudito, conhecedor de arte, literatura e filosofia. Ainda hoje, é referência de transgressão e crítica que se faz marcante tanto em sua poesia, quanto em nossas vidas.

            Não permitamos sermos um país sem memória, deixando raridades intelectuais, como Roberto Piva, pelos corredores da vida, porque concordo quando Leila Míccolis diz que “Além das Letras? Há vida”.

 

(*) Leila Míccolis