meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

Porque ler POSTIGOS

por Tânia Du Bois

 

           

“Redesenho o cotidiano // pontos / e tramas // - corda absurda - /

me ouço em outros poemas / feito sussurro ao vento.”

 

            Dê uma pausa no seu cotidiano para ler POSTIGOS; será um ato invariavelmente ligado à emoção na possibilidade de ver a poesia como estilo na palavra, e de mergulhar no prazer da arte literária. POSTIGOS não é apenas conquista, mas também desafio, porque nos mobiliza para seguirmos lendo poesia. Essa é a essência que a obra de Carmen nos lega: o prazer de momentos poéticos e mágicos na inspiração de novas e emocionantes experiências linguísticas.

 

“Ao longe, / com nossa teia, / tomamos os remos / e feito postigos

destes suspiros / desabitamos pessoa do nada...”

 

            POSTIGOS é poesia diferenciada, desenvolvendo o apuro para com experiências expressivas, onde realimentamos nossa capacidade de alterar as nossas preferências – incrível viagem ao tempo através de uma janela que nos permite espreitar a poesia.

 

“Leitura // sem sol / nem lua // sangue aquático /

Claroscuro momento // Livros / semânticas poeiras /

fluindo corpos em nomes, / eternas viagens...”

 

Ao viver o cotidiano, com certeza há poesia, porque buscamos equilíbrio entre a vida e a leitura de POSTIGOS, acendendo a luz do nosso dia a dia, melhorando e ativando a criatividade entre coisas e palavras, para conquistarmos a liberdade. A poesia é a linguagem da liberdade e, com ela, podemos ser o que quisermos. O que sonhamos é poesia. Os momentos que vivemos é poesia.

 

“Há dias tão cinzas / que assombro céus / condenso

paredes / escuto fantasmas / nas folhas em pauta /

me reencosto à Lua.”

 

Ler POSTIGOS é opção dentro da poesia, para quem gosta de desafios. É também estar na companhia de Cecília Meireles, “... com teus lábios danço / tombo páginas / e me reescrevo luares em clara idades...”, e de Gullar, “... em minhas mãos / giros de folhas / retocam a face do tempo...”. O livro se divide entre os Postigos Naturais e os Postigos Lunares, juntamente com poetas convidados, versando com o livro e com Vidráguas, onde revelam a força da poesia de Carmen Sílvia Presotto.

 

“Entre / o fim e o serei / está o é /

- flor umedecida d’eus - /

desensimesmando-se por viver...”