meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

RETRATO DO POVO BRASILEIRO: EM COR E POESIA

por Tânia Du Bois

 

“... Seu olhar inscreve-se em mim / juntos enredamos a história: /

ora sem luz, / ora sem escrita...” (Benedito Cesar Silva)

 

       A arte estabelece o diálogo entre diversos olhares sobre o cotidiano, sobre a paisagem como cenário, enfatizando a importância da obra como fonte de inspiração poética. Mário Quintana escreveu, “Nós fazemos parte da paisagem.”

 

       Aqui, encontro dois artista: um, o pintor Cândido Portinari, que Raymundo O. de Castro Maya, seu melhor amigo, assim descreveu: “com a cor e a poesia, Cândido Portinari foi que melhor retratou a identidade do trabalhador e do povo brasileiro”. Portinari, em seus trabalhos, descreveu o caráter imaginativo, representado por elementos fantásticos, figuras líricas e criaturas místicas. Ele acreditou nessa proposta e se tornou um “organismo vivo”, que abrigou idéias e pensamentos na formatação de suas obras.

 

       Ganhou a admiração de Alphonsus de Guimarães Filho, “... no seu jeito de estar. / Toda alegria, / toda a luz, a manhã que tudo aclare / investe sobre o inquieto Portinari, / dá-lhe viver a sensação de um dia / que é todo vibração. / Eis vai Candinho...”, e de Vinícius de Moraes, “O pintor pequeno / o grande pintor / ruim como veneno / bom como a flor.../ É cor de pintura / dentro da moldura / de um quadro de aurora...”

 

       O outro é o poeta Ferreira Gullar, conhecido e reconhecido nas manifestações artísticas como o “poeta nacional”; foi quem abriu caminho para o movimento da cultura popular, refletida em sua poesia. Seus versos são sensíveis à problemática do povo, porque abrange todas as vitórias, derrotas e esperanças do homem brasileiro.

 

       Portinari e Gullar, através de suas artes (pintura e poesia), demonstraram a necessidade de se lutar contra a injustiça e a opressão.

 

       A partir desse momento nós, “paisagem e povo brasileiro”, passamos a nos conscientizar do valor da cultura e da sua contribuição para a compreensão da sociedade. 

 

      Ainda, encontramos em Gullar, em versos sensíveis à problemática da vida do homem brasileiro, “... dizem, tudo dizem / eles nasceram para falar / para contar histórias, / para comentar / a cor de cada / fato sem cor...”