meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

PRAZO DE VALIDADE: um último trago

por Tânia Du Bois

 

            O amor, as lembranças, os vícios e os amigos também têm prazo de validade?

            A lembrança é a memória, a constatação de um só estado... Que tem por instrumentos os vícios e os mitos. A memória é emotiva; como no conto “Um último trago”, de Borboleta. Ele mostra que o que fica na memória é a lembrança do que interessa, o que tem valor para a sua vida, de alguma forma. E também o compromisso para com o amor e o tempo.

            “A presença da marca do tempo no maço ainda aberto, dos resquícios esmaecidos de seus lábios no filtro sobre o cinzeiro e de sua imagem sorridente na moldura”.

            Todo dia é dia de encarar e vencer novos desafios. E parar de fumar, driblar as saudades e não beber são as novas marcas do tempo: “... pude ver a poeira do tempo depositada sobre a minha pele...” Mas o que o conto nos mostra é o desejo cristalizado, a vontade alimentada pelas recordações que se entregam de corpo e alma e se convertem em instrumentos de dependência, como: “... coçam-me os dedos e salivam-me na boca os resquícios de um amor alimentado à nicotina”.

            Sim, por que quem vê o símbolo do cigarro no fundo da consciência e do coração, pode pensar que o tempo somente se localiza através do amor, colocando-o como espécie de tatuagem – prova da sua fidelidade que chega a parar o tempo.

Claro que a memória d’Um último trago parece estar prestes a desmoronar, não é reconfortante, mas ajuda a dar a dimensão do seu amor e delimitar o tempo. Despretensiosamente, a fumaça torna-se símbolo, criando possibilidades de um reencontro: dos sentimentos que ainda purgam nas veias, como imagens que mostram os principais lances da vida.

Ele vive na expectativa de reencontrar o seu amor através do cigarro e da bebida. Sua história, seus momentos, suas palavras e seus gestos demonstram que em cada situação há um prazo de validade; compartilha da falta de responsabilidade e de violência para consigo mesmo.

Isso não significa que tenha perdido o ímpeto pela vitória de se manter vivo, mas, alheio ao tempo, ele exige de si sobre o seu amor, fazendo das lembranças a sua espera, exagerando por querer vencer a qualquer custo a saudade; “... sustento a impressão de que apagamos nosso último cigarro com a mesma desenvoltura de juventude com que acendemos o primeiro”.

            Essa percepção é alimentada pelo vício, que não é bem vindo para que se possa perceber a hora de colocar em seu destino a marca consolidada pelo tempo, que se torna mais forte ao fazer diferença no seu viver, procurando apenas os “flashes” da memória, como voo sem limitação, que desperta o sentimento para brincar entre lembranças, acumulando emoções sem prazo de validade.