meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

UM OLHAR sobre a QUERÊNCIA

por Tânia Du Bois

 

O jogo visual é lúdico, comum a todos: marcado pelo saudosismo. Saudades da querência.  A visão romântica é na verdade um olhar sobre a poesia gaúcha que vai além da ideologia para buscar na sua realidade (raízes, tradições e crenças) o retrato da sensibilidade entre a linguagem e os autores, hábitos e costumes, traduzidos no palavreado gauchesco.

 

Esse universo revela a postura gaúcha refletindo o seu tempo na busca do pitoresco. Contudo, num olhar mais atento, há a linguagem de Tenebro dos Santos Moura, autor de um único livro, “QUERÊNCIA”, que usa a função das palavras para revelar a identidade do gaúcho, através da poesia:

 

A saudade é o chimarrão / Que hoje longe do pago / vou sorvendo trago a trago, / Pra aliviar o coração. / Amargo que eu acho doce, / vício de guasca, distante./ Que não esquece um instante, / o seu amado torrão. //... Vejo gaúchos que passam, / Ao tranco de seus cavalos, ////... Eu montado / No meu cavalo  picaço, / vos juro, eu era um pedaço / Do meu Rio Grande do Sul.”

 

Paulo Monteiro declara que “falar de poesia gauchesca ou crioula é lembrar de Tenebro dos Santos Moura”.

 

A presença poética da querência é o que a torna representativa e reconhecida por todos. Como no texto de Claude Lévi-Strauss, que fala e se impressiona com o chimarrão que, para ele, é a bebida, entre todas, mais exótica, tomada como em um ritual e com muitas regras: o dono da casa tem que ser o primeiro a tomar; o chimarrão não pode ser passado para o outro com a mão esquerda; a erva não pode ser mexida com a bomba e, antes de ser passado adiante, tem que se fazer o chimarrão “roncar”, no fim, para provar que não resta água na cuia.

 

Ao olharmos a nossa querência, reconhecemos os padrões culturais, que juntamente com os rituais do chimarrão, tem na poesia de Tenebro a marca do gaúcho cristalizada em suas tendências, dividindo e construindo a sua cultura. Belo gesto que acolhe a todos, possibilitando imaginar o orgulho que ele sentiu ao escrever o poema “QUERÊNCIA”, que mantém vivo o sonho de descortinar a toda hora as razões para conhecer o Rio Grande do Sul.