meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

“Mário Quintana, o poeta do mapa da cidade de Porto Alegre”

por Tânia Du Bois

 

            “Olho o mapa da cidade / como quem examinasse / a anatomia do corpo / ...

            Sinto uma dor infinita / das ruas de Porto Alegre / onde jamais passarei...”

 

          Quando se pensa em Porto Alegre, necessariamente se pensa em Mário Quintana. Muitas vezes confundido com a paisagem das ruas do centro da cidade, por seu amor pela cidade, em sentimento recíproco.

          Suas caminhadas pela Praça da Alfândega, pelo Correio do Povo, onde publicou o Caderno H, teve por objetivo conversar com as pessoas, estabelecendo uma ponte entre o sonhado e o vivido.

          Realidade e imaginação, Porto Alegre e poesia se associaram para compor o quadro e permitir a adoção da cidade pelo Poeta. ele conseguiu, através da sua obra, estabelecer comunicação afetiva com Porto Alegre e encontrou a maneira de ajudar a ver e a refletir o encanto pela cidade, que correspondeu à sua necessidade, num encontro marcado com o Poeta e com o mundo.

          Quintana soube desfrutar Porto Alegre, vindo a ser integrado em sua paisagem, tal como a imagem da cidade foi transfigurada nas metáforas de seus poemas.

 

            “Porto Alegre, antes era uma grande cidade pequena. /

             Agora, é uma pequena cidade grande.”

 

          O Poeta soube ver Porto Alegre como são vistas as fadas; teve olhos para revelar a face secreta da cidade e das suas pessoas. Além dos poemas, escreveu o livro de crônicas, “Porto Alegre Ontem e Hoje”, em 1971.

          Foi um poeta de andanças pelas ruas de sua amada Porto Alegre; segundo Aluízio Ribeiro, “a cidade que adotou como sua e cantou como ninguém.”

          Pedro Maciel escreveu que “... o poeta ama a cidade e a cidade ama o poeta... Ninguém mais compreendeu tão bem a alma feminina e acolhedora de Porto Alegre, quanto Quintana, e soube com ela manter um caso de amor tão profundo e explícito...”

          Sérgio Napp disse que “A Casa de Cultura Mário Quintana é o barco que singra a cidade-porto em busca da voz do poeta – símbolo que, ancorado na cidade faz dela seu itinerário de canções.”

          Já Waldir Silveira conclui que “Porto Alegre aprendeu a reconhecer-se nos versos de Quintana.”

          Mário Quintana na escolha das rimas criou para os porto-alegrenses um clima de acalento para com a cidade, com que expressou a vida, o esperar, o sonhar e se transcreveu em sua representação.

 

            “Céus de Porto Alegre, como farei para levar-vos para o céu?”