meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

NÚMEROS RECONTADOS

por Tânia Du Bois

 

O que queremos das nossas vidas? Ao findar o dia não termos esquecido de efetuar os pagamentos. Mas, do sorriso e da bondade que não contamos, será o caso do dia? Ou recontamos os números?

Ordenamos, classificamos, quantificamos, qualificamos e recordamos os fatos através dos números, que tornamos marcas da vida, como encontramos no livro de Pedro Du Bois, Números Recontados.

Números são importantes na vida; recontamos nossa trajetória através de calendários. Datas são o questionamento do dia-a-dia. Nascimentos, aniversários e mortes. Quando menos se espera, a palavra dita é número: multiplicação da vida; partilhada com os amigos; o sentido simbólico aprisionado em tantas datas, pois os números ocupam um lugar reservado no tempo: passado, presente e futuro – em bifurcações de tantas outras vidas contabilizadas que nos acompanham.

 

“É cedo rapaz // undécima hora / composição atrasada / na partida // vida inquieta / trocando os trilhos / descarrilando a passagem / induzindo novos caminhos // É cedo rapaz / verdadeira hora / de revelações / e acomodações.”

 

Passado tempo, os números ocupam o primeiro lugar nas atividades diárias; a sociedade em mudança transforma tudo em senhas.

Passado tempo, nada muda na contagem dos dias, apenas retemos na memória a história como se apresenta no caminho (multiplicação da vida), na espera continuada que se faz em você eternidade em que vive esses anos todos.

 

“Robusto ao nascer / dois anos prodígio / falando palavras, fazendo contas // quatro alfabetizado / sete, expressando-se em inglês / dez, boa pontaria / atirando em passarinhos e galinhas / doze penugens no rosto / prenunciando a barba, bigode e pentelhos // dezesseis, emancipado para ser comerciante / não foi nem mesmo ambulante // dezoito, eleitor por obrigação / vinte e um, esvoaçante / na maioridade / não tivesse sido emancipado aos dezesseis // vinte e quatro, travesti / prazeres e trabalhos / em domicílio, hotéis baratos / vinte e sete, defunto.”

 

Vidas viciadas, dependentes dos números.

Somos o dízimo da sociedade?

Ou temos incontáveis sonhos em horas perdidas?