meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

EU E OS SAPATOS

por Tânia Du Bois

 

“Cruzam o limiar trazendo / Poeiras de azul e de horizonte / Nos pés

enleados de caminhos” (Joaquim Cardozo)

 

Adoro sapatos de todos os tipos e cores.

Sapatos certos garantem um andar com segurança para colocar “o pé na estrada”, como canta Adriana Calcanhoto, desafiando o poeta e despertando transformações: “... em meus passos, sapatos / poeiras / portas / portos / poetas / profetas / negócios...”

Por mais que me declare apaixonada por sapatos, sempre tive uma curiosidade: de onde surgiu a numeração dos sapatos?

Descobri com Xico Gonçalves que a primeira descrição oficial de tamanhos para calçados foi publicada em 1688, na Inglaterra, onde mencionado o acordo para utilizar a medida, de um quarto de polegada, como padrão.

Um século depois, foi instituído um terço de polegada - equivalente a um grão de cevada -, que foi a medida usada pelo rei Eduardo I, no século XIV, como padrão para os calçados, tornando-se uma unidade métrica chamada “Ponto”.

Mais tarde, Edwin B. Simpson, na época da Revolução Industrial, incluiu no sistema de numeração, para as fábricas de calçados, as medidas de meio ponto; utilizados até hoje em sapatos do hemisfério norte, e por poucos fabricantes brasileiros.

O sistema só foi utilizado a partir de 1808, pelos fabricantes, e sobrevive com pequenas alterações até hoje.

 

“Imóveis, como a espera / da Dona para os calçar: / Quantos espinhos tivera /

neste mundo, que pisar...” (Ernani Rosas)

 

Os sapatos despertam paixão em homens e mulheres. Fizeram a fama de muitas estrelas de cinema, como Marilyn Monroe, que mandava diminuir a altura de um dos saltos dos sapatos, para poder rebolar os quadris mais sensualmente ao andar; o que pode ser visto no filme “Torrentes de Paixão”.

Sapatos são uma arte em tempos e em termos de produtividade, com a vantagem de poder escolher a gosto e descobrir o segredo para compor uma identidade visual marcante. Sapatos são poderosos! Os passos são sapatos que transcendem a realização, como no poema de Nei Duclós: “Passos... a linguagem que / aproxima o que parece / disperso.” Surpresas e desafios fazem parte do caminho, o que pode facilitar a jornada é o “acertar o passo”.

A mulher tem o dom de achar o caminho que leva à felicidade, seus passos têm a força da vitória, sabor da conquista – talvez sejam os sapatos e eu que, juntos, damos sinais de um acontecimento poderoso.

 

“Esquecidos num canto / dormem os velhos sapatos, / gastos de uso / e tanta

equivalência. // Ali estão todos eles, / os meus sapatos / que já não deixam rostos, /

ali abandonados / com seu sorriso amargo, / e neles existo.” (Itálico Marcon)