meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

“VIA RÁPIDA”: palavras e imagens

por Tânia Du Bois

 

            Via Rápida é o novo livro de poemas de Pedro Du Bois, editado pelo Projeto Passo Fundo, na representação de Ernesto Zanette. O livro é arte e lazer. Nesta obra o poeta marca encontro com os escritores: Paulo Monteiro, no prefácio; Geraldo Fernandes, no posfácio; Gilberto Cunha, na quarta capa; Marco Damian na orelha; e Eduardo e Layla Barbosa, nas ilustrações.

            Du Bois não se curva, faz a sua poesia e não a dos outros. Ele não segue a moda, que é o modo mais rápido de vencer na literatura. Porém, as portas se abrem, agora, com o Via Rápida, que representa um passo a frente no rumo poético: seu estilo, ao empregar as palavras é de quem sente as vibrações entre o som e o significado na busca da poesia reflexiva. Diria até que não se entrega a primeira leitura e, também por isso, é necessário elogiar a sua obra.

            Não há meias palavras para descrever a grandeza da obra; sob a luz, os poemas se destacam na influência da velocidade no correr dos dias.

“Descongestionada hora / de retorno: acelera / o corpo // o sinal fecha /

em alerta // (na rapidez do gesto / sabe do regresso:/ a antiga cidade /

reapresentada no lapso / fantasmagórico / de agora).”

            Já como influência consolidada, o autor mostra o passar das horas na medida em que vai sentindo sua origem, embora escondida na lembrança; as palavras entregam indícios de seu talento no misturar ficção e inspiração, para descrever a liberdade em Via Rápida.

“... Reorganiza ideias: sorri o lado / de fora e pensa a rapidez

da aurora / onde amanhece em silêncio.”

            As ilustrações dos poemas aumenta o desafio à participação do leitor, dando vazão para garantir a leitura no desfrutar as ideias e sentir que não há limites estanques nas criações. Tanto a arte literária como a plástica se norteiam pela qualidade, voltadas para tempos mais humanos, com a visão de conquistar e entender o mundo em novas dinâmicas.

            Pedro e Eduardo fazem arte marcante na nossa cultura, onde ocupam espaço através de seus processos de criação, trazendo para o dia a dia o poder de encantamento, reflexão e beleza.

“Encosta o corpo / no corpo vago da passagem // escuta o som sussurrado //

com os olhos fechados relembra / acontecimentos: corpos / selados em silêncio.”

            O livro é jornada que se desenrola de forma arrebatadora, porque traz arte literária em conjunto com a plástica, e isso faz a diferença, já que a tendência da mente é a de viajar e viver o presente. É, também, gratificante, desafiador e instigante: expressa que o viver passa em Via Rápida em diferentes pontos de vista, ampliando a nossa visão cultural.

“O lugar vazio / a máquina desligada / o olhar absorto // a primeira vez //

a contestação silenciosa / a constatação do fato.”

 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------