meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

VERDADES E MENTIRAS: o livro

por Tânia Du Bois

 

                                                                    “De quantas verdades se faz uma mentira?”

                                                                                                          (José E. Agualusa)    

 

“Mentiu o compromisso / de trazer a luz da manhã / presente no movimento /   

e no descompromisso / em que a natureza / produz seus fatos... não mentiu

 o sonho / de transfiguração do corpo / e nele a luz / permanece inconstante”.

                                                                                                (Pedro Du Bois)                

  

            Pedro Du Bois é escritor reconhecido pela sua inventividade. O seu livro, Verdades e Mentiras, é baseado nas facetas da falsidade, onde revela a sinceridade e a insinceridade, desencadeando um jogo onde a mentira mostra que a situação se torna grave se a máscara sobre o rosto for encoberta de recordações vividas – “... mente para si / ao acaso do encontro / acasalado casal / acometido do sexo / limpo e fora de casa esclarece / seus desejos e como gostaria / de encontrar a amante / sobre a cama.”

 

          Nesse jogo de mostra e esconde, finge dizer a verdade, mostrando algo para esconder outras coisas, refere-se ao ato de produzir uma falsa aparência e esconde os mistérios dos mascarados sem máscaras.

 

          Nada além de literatura, uma construção baseada no discurso e através do que inventa provas de existência, como: o bem e o mal; a complexidade da verdade e da mentira.

  

Roberto Pompeu Toledo, pergunta: “Que é a verdade? Que é a mentira? A mentira é um discurso que começa invocando a verdade a sustentar-se numa mentira”.

 

          Gosto do jogo proposto por Pedro porque é a revelação de um modo ilusionista. Onde o encoberto, perdido em dúvidas e obscuridades, tem um lado visível e o outro imobilizado pela ilegitimidade, e os iluminados cunham a ilusão e a impostura com mitos e contrários sentidos. Como acreditam os autores de Martins ao Cubo: “O poeta não mente só diz o que sente.”

  

Noel Rosa já cantava: “Prá que mentir / se tu ainda não tens / esse dom / de saber iludir?/ Prá que?”. E encontro em Vinícius de Moraes: “...Amar sem mentir / nem sofrer / existiria a verdade / verdade que ninguém vê”.