meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

VIDA e POESIA: ZIZA TREIN

por Tânia Du Bois

 

“Onde está aquela menina / que andava de mãos dadas com o pai / pelos trilhos de trem?...”

 

Foi no período de 1923 a 1981 que a poetiza passofundense, Ziza de Araújo Trein, escreveu o livro VIDA e POESIA. A obra é dividida em duas partes: Poesias Ingênuas e Na Andança da Vida.

Considero o livro de imperdível leitura, pois, ao criar arte, naquela época, ela revela com palavras mágicas as experiências vividas, deixando transparecer na linguagem poética também o amor pela sua Pátria. “Brasil, meu Brasil // És tão grande, tão nobre e generoso!...” ela se refere à Segunda Guerra Mundial, onde alguns imigrantes alemães desrespeitaram a nossa Bandeira: “Mais do que tudo que fizeram, / Foi terem ultrajado o Sacrossanto / Pavilhão deste povo brasileiro!...”

 

Diante das circunstâncias da vida, para conhecer o mundo, optou por viagens a Berlim, Paris e Bruxelas (1977), e as teve como suporte da sua obra, que por vezes, foi ousada por não se fazer calar, como no poema “Viagem”:

 

“Todo ser humano é semeador constante / No campo imenso deste mundo – terra. /

Tudo o que semeares, seja Bem ou Mal / o fará na tua própria seara //

...As mesmas sementes voltarão / E no teu próprio caminho / Irão nascer!”

 

Para compreender o que ela pensava e sentia sobre a sua terra natal, Passo Fundo, a poetiza conta do “Meu Rincão”:

 

“Meu coração nesta hora / É uma acordeona chorona / Neste galpão que é o meu peito, /

contando em versos.../ o que sei deste rincão. //Deste rincão que surgiu / Porque o tropeiro cansado / Pousava aqui p’ra o descanso. / e, ali, na beira do rio...// E, onde está agora esse rio, / Que tinha um passo tão fundo / Que deu o nome da cidade?...// Vem também tu, forasteiro, / Tropeando a vida

 no mundo? / Este é o lugar da pousada, / É aqui mesmo o Passo-Fundo”.

 

No sagrado direito de expressão, sua obra tem significado especial. Faz registros de um tempo em que a força do seu pensamento e da sua juventude ficou concentrada em sua poesia. Ainda, teve a coragem para realizá-la quando o silêncio era o abrigo mais seguro.

Nas Andanças da Vida, foi movida pelo lema “Viver para Servir”:

 

“Para aqueles que te pedem pão/ Tens sempre alguma coisa para repartir./ Sempre alegre,

sempre sorrindo, / Que importa as dores...,/ Se estás feliz, muito feliz /

No prazer que tens em estar servindo?...”

 

A poesia de Ziza contribui para nos aproximar daquela realidade e a entender a liberdade que ela teve ao escrever seu livro. Criou a oportunidade de expressar seu convívio, levando o leitor a fazer uma viagem ao seu tempo, através dos aspectos mencionados no desenvolvimento literário com as relações vivenciais, a capacidade de compartilhar seu amor e seus sonhos, deixando ao leitor repensar o dia a dia e, ainda, alimentar esperanças em relação ao sentimento pátrio, favorecendo o crescimento pessoal e cultural – essência da vida em sociedade. É nesse emaranhado de épocas que, “Onde”, Ziza expressou a sua arte:

 

“A menina hoje anda sozinha / pelos trilhos da vida...// O tempo alvejou seus cabelo /

e riscou de rugas o seu rosto / Mas sempre a mesma menina. /

Que escreveu tolas poesias ingênuas!”