Meiotom - resenhas


 

O imaginário da Floresta - Vera do Val

Prefácio: aluizio alves filho

O vôo livre e o canto dos pássaros, o verde da floresta, a imensidão das águas dos rios, a diversidade da flora e da fauna, as populações ribeirinhas, assim como o grande número de tribos que habitam ou habitaram a região, fazem da Amazônia uma parte muito especial de nosso país; região cheia de segredos, encantos e riquezas incalculáveis. Esse é o cenário onde nasceram e circulam as histórias aqui reunidas. Elas foram selecioandas com base em um cuidadoso levantamento do fecundo folclore que faz parte do patrimônio oral dos povos da floresta.

 

No passado, Monteiro Lobato escreveu fábulas, valendo-se de histórias estrangeiras e dando-lhes roupagens nacionais. Agora, a escritora Vera do Val brinda os jovens leitores brasileiros ao produzir um livro em que lapida lendas inteiramente nacionais. Elas podem ser agrupadas em três tipos, da seguinte forma: umas são referentes à criação, outras às relações entre homens, animais e natureza e, diferenciando-se das duas primeiras, há as que se voltam para a explicação da origem de diferentes povos.

 

A beleza e pureza das lendas, sobre criação do mundo, da noite, das estrelas, da lua e dos rios, desabrocham nas páginas iniciais do livro. Seguem-se as lendas do segundo tipo, como: Cobra Norato e Macunaíma, personagens do mundo amazônico que se tornaram conhecidos no Brasil inteiro por terem dado nomes a livros de Raul Bopp e Mário de Andrade. São também lendas desse grupo as que chamam a atenção para a Mãe-d'água, a Iara e as Amazonas, ou ainda para o guaraná, o Uirapuru e a Vitória Régia - maravilha da região. Fazem parte do terceiro grupo lendas singelas sobre a origem dos Karajás, dos Tikunas, dos Barés e de outros povos indígenas.

 

Vera do Val tem a preocupação de identificar, sempre que possível, o povo em que a lenda surgiu, a região precisa que esse povo habita, assim como o número aproximado de sua população. O material constante no livro pode ser lido em qualquer ordem, não sendo necessário seguir à risca a seqüência da apresentação. Mas vale destacar que o livro começa com uma lenda sobre a criação do mundo e termina com uma sobre Ajuricaba. Personagem real de um mundo encantado. Esse índio comandou a resistência dos nativos à desumana invasão dos colonizadores na região, provocando a destruição da natureza e da vida. Por sua coragem, lucidez e valentia, Ajuricaba imortalizou-se como um símbolo da defesa de tudo que de grandioso o vale amazônico representa para o nosso país.

 

O "imaginário da floresta" é um livro singelo e de leitura agradável. Livro com gosto de Brasil que fala da cultura, dos anseios e das esperanças de povos que habitam o coração da selva, levando os leitores a refletir a respeito. Livro escrito com carinho e amor por quem vive no Amazonas e conhece os segredos da região. Livro capaz de despertar e prender a atenção de crianças de 8 a 80 anos de idade.

 

Aluizio Alves Filho - Sociólogo. Professor da PUC e da UFRJ